All Tweets
prev
Previous:2.08 O que é um núncio?
next
Next:2.10 O que significam todas as cores? Quem é quem?

2.9 Que tipos de monges, freiras e frades há?

A Igreja atual

Pais religiosos (monges), irmãos (frades) e irmãs (freiras) são pessoas que escolheram dedicar-se, toda a sua vida e sua propriedade a Deus, e viver apenas para ele. Eles vivem de acordo com uma regra (monástica) e trabalham dentro ou fora das paredes de seu mosteiro ou convento.

Exemplos incluem as Missionárias da Caridade (a congregação estabelecida por Madre Teresa), os Franciscanos, os Jesuítas e as Clarissas. Cada uma dessas comunidades tem uma abordagem diferente. Alguns se concentram principalmente na oração, outros trabalham em escolas ou hospitais ou assumiram outras tarefas.

Existem muitos tipos de religiosos que dão tudo a Deus e vivem segundo uma regra. Eles rezam, vivem e trabalham juntos para proclamar o evangelho.
A Sabedoria da Igreja

Como é formado o povo de Deus?

Na Igreja, por instituição divina, existem os ministros sagradosque receberam o sacramento da Ordem e formam a hierarquia da Igreja. Os outros são chamados leigos. De uns e de outros, provêm fiéis, que se consagramde modo especial a Deus com a profissão dos conselhos evangélicos: castidade no celibato, pobreza e obediência. [CCIC 178]

O que é a vida consagrada?

É um estado de vida reconhecido pela Igreja. É uma resposta livre a um chamamento particular de Cristo, mediante a qual os consagrados se entregam totalmente a Deus e tendem para a perfeição da caridade sob a moção do Espírito Santo. Tal consagração caracteriza-se pela prática dos conselhos evangélicos. [CCIC 192]

O que é que a vida consagrada oferece à missão da Igreja?

A vida consagrada participa na missão da Igreja mediante uma plena dedicação a Cristo e aos irmãos, testemunhando a esperança do Reino celeste. [CCIC 193]

Como é edificada a Igreja una, santa, católica e apostólica?

Na Igreja, há leigos e clérigos (clero) que, como filhos de Deus, têm a mesma dignidade. Têm tarefas de igual valor, mas distintas. A missão dos leigos é construir e reconstruir o mundo segundo o modelo do Reino de Deus. Para eles  são ordenados ministros (clérigos) com o serviço do governo eclesial, do ensino doutrinal e da santificação sacramental. Em ambos os estados também há cristãos que, de modo especial em castidade, pobreza e obediência, se colocam à disposição de Deus (por exemplo, os membros das ordens e das congregações religiosas).

Cada cristão tem a missão de testemunhar o Evangelho com a própria vida. Mas Deus percorre, com cada pessoa um caminho próprio. A uns envia como leigos, para construírem o Reino de Deus no meio do mundo, numa família e com uma profissão; para isso, concede-lhes, no Batismo e na Confirmação, todos os dons do Espírito Santo necessários. A outros encarrega com o ministério pastoral, para guiar, ensinar e santificar o seu povo; ninguém pode reclamar a si esta missão, pois é o próprio Senhor que os envia e dá, mediante o sacramento da Ordem, a sua força divina para o caminho, para, no lugar de Cristo, atuar e celebrar os sacramentos. [Youcat 138]

Por que quer Jesus que haja pessoas que vivam para sempre em pobreza, em castidade celibatária e em obediência?

Deus é amor. Ele também deseja o nosso amor. Uma forma de entrega amorosa a Deus é viver como Jesus, ou seja, pobre, celibatário e obediente. Quem assim vive tem cabeça, coração e mãos livres para Deus e para a humanidade.

Surgem continuamente indivíduos que se deixam conquistar verdadeira e totalmente por Jesus a ponto de, “por causa do Reino dos céus”(Mt 19,12) entregarem tudo a Deus, mesmo coisas boas, como as suas riquezas, a autodeterminação e o amor conjugal. Esta existência segundo os Conselhos Evangélicos em pobreza, castidade celibatária e obediência, mostra a todos que o mundo não é tudo. No fundo, só o encontro “face a face” com o esposo divino fará a humanidade feliz. [Youcat 145]

Isto é o que dizem os Papas

Desde os primórdios do monasticismo até as “novas comunidades” de hoje, toda forma de vida consagrada nasceu do chamado do Espírito para seguir a Jesus como ensina o Evangelho. Para os vários fundadores e fundadoras, o Evangelho foi a regra absoluta, enquanto todas as outras regras se destinavam meramente a ser uma expressão do Evangelho e um meio de viver o Evangelho em plenitude ... Seus votos eram uma expressão concreta do Evangelho, esse amor apaixonado. [Papa Francisco, Carta Apostólica às Pessoas Consagradas, 21 Nov. 2014]